arrocho: s. m., acto de arrochar; pau curto arqueado para apertar a carga ao lombo das bestas; porrete; cacete; fig., opressão; rigor.
enviar arrochada
publicado por Rita, em 09.09.09 às 01:01link do post | favorito

Bem..com os comentários destes penso que terei um papel mais sentimentalista quando postar no blog!! E entenda-se este sentimentalismo não apenas como feminista, mas também porque ajudará a amenizar certas arrochadas que possam ser de um caríz mais  "agressivo".

Contudo, é com todo o gosto que, a partir de agora arrocharei!

 

Será que isto também pode ser entendido como um estado de espírito ou algo do género?!!

 

Obrigada pelo convite!


enviar arrochada
publicado por Marco Gomes, em 08.09.09 às 16:59link do post | favorito

«Referente a dados de 2007, o relatório da OCDE mostra que o desemprego de longa duração (superior a seis meses) afecta 51 por cento dos desempregados portugueses com diploma universitário e idades entre os 25 e os 34 anos. Na média dos países da OCDE, esta taxa é de 42 por cento.» in [Esquerda.net]

 

É interessante que em Portugal, tanto se apregoe, por vezes como fundamento principal dos baixos salários existentes, a pouca qualificação profissional dos trabalhadores portugueses. De facto, possuímos um nível de qualificação baixo e taxas de escolaridade baixas em quase todos os níveis de ensino aliada a uma fraca e residual alternativa de ensino profissional  em Portugal.

Contudo, o mercado de trabalho, não absorve, ou custa a absorver, a mão-de-obra qualificada.

 

Parece um contra-senso estarmos num país, em que a competitividade é baixa (embora haja políticos e empresários que acreditam, ainda, que esta se eleve com uma redução no valor dos salários)  devido à existência de uma necessidade em qualificar a  mão-de-obra, não absorva a sua mão-de-obra qualificada.

Causa provável: a mentalidade dominante que mais vale um trabalhador não qualificado que se desenrasque num trabalho, que necessite de qualificação, do que um trabalhador qualificado, pois em causa está a (falsa) competitividade dos salários. 

Sendo assim, sem uma sociedade que implemente a política da qualificação da mão-de-obra qualificada e dos justos salários de pouco valerá o investimento na educação, o investimento em cursos técnico-profissionais ou o investimento em investigação e desenvolvimento. Como sempre, tudo se resume a uma questão de mentalidade.

do que se fala: , ,

enviar arrochada
publicado por ronin, em 08.09.09 às 15:15link do post | favorito

 

 

 

Ronin

 


enviar arrochada
publicado por MAV, em 08.09.09 às 14:58link do post | favorito

Não é muito habitual concordar com o Bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, nem com a sua forma de estar na praça pública, mas o que hoje afirmou no fórum ‘Imigração Vs. Criminalidade - Políticas de Segurança’ vai totalmente de encontro ao que defendo.

Tem razão quando afirma que não é através da alteração do quadro penal, e nomeadamente pelo agravamento das penas que se poderá combater a criminalidade em Portugal (e em outros locais). Aliás, para quem conhecer minimamente a evolução histórica e teórica da criminologia, saberá que isso não faz sentido, ao contrário do que muitos políticos da "nossa praça" gostam de afirmar.

Outro aspecto que Marinho Pinto refere é o aproveitamento político da ideia de "sentimento de insegurança" pelos partidos. Também aqui muito se fala e pouco se diz. É que ao contrário do que muitos julgam (e dizem) o aumento do crime, por exemplo, não contribui para o aumento do sentimento de insegurança, ou pelo menos não o faz em maior escala do que a influência que os media exercem sobre o mesmo.

É que o sentimento de insegurança não é algo completamente racional, mas sim uma resposta emocional expressa em comportamentos de defesa.


enviar arrochada
publicado por ronin, em 08.09.09 às 14:58link do post | favorito

0,3%, este é o valor que vai marcar os próximos dias, e como dado macro-económico que se preze irá certamente suscitar duplas leituras. De um lado aparecerá algum arauto a dar pulos de alegria a afirmar que a crise passou etc. e tal, ou seja tudo a que temos sido habituados…

Infortunadamente eu não estou desse lado, vejamos é certo que 0,3% representa uma melhoria no crescimento, é certo que é um valor que nos tira da recessão técnica, mas também é certo que este valor traduz um crescimento sustentado?

Lamento muito dize-lo mas penso que não…

Estes 0,3% podem ser explicados por duas componentes: como todos sabemos os meses de verão tradicionalmente significam um aumento da procura interna, isto é um aumento do consumo das famílias a que não é estranho o período de veraneio a que assistimos. Por outro lado surge a componente das exportações, e aqui reside a verdadeira questão: será que assistimos a um crescimento sustentado das exportações? Será que a nossa indústria aproveitou a crise para se renovar e reinventar? Ou este aumento do produto exportado ter-se-á ficado a dever à boa aposta no renovável?

Infelizmente não me parece o caso.

 

 

Outro dos assuntos que marca o dia é certamente o relatório publicado pela OCDE, e os dados nada animadores que apresenta sobre o real estado da educação do nosso pais. O que deveria passar por uma grande aposta nacional e até já foi uma paixão governamental está a seguir um rumo contra natura, a par com a falta de investimento no ensino superior, onde a diferença se situa na casa dos 2000 euros anuais por aluno face à media da OCDE. Continuamos a apostar em cursos cuja única saída é o desemprego, cursos totalmente desfasados da realidade do mundo em que vivemos e cursos que não preparam ninguém para o real mundo globalizado que se vive fora dos campos universitários.

 

Ronin

 


enviar arrochada
publicado por MAV, em 08.09.09 às 14:54link do post | favorito

É com todo o gosto que participo na reactivação do Arrochadas. Quem me conhecer de outras casas, saberá com o que pode contar. Quem não conhecer, poderá ir lá ler.

Entretanto, e já que estamos em período eleitoral, fica o objectivo de escrever um post por dia e nada mais... mas, se ninguém diz nada sobre José Sócrates não os cumprir, acredito que, se não o fizer, também a mim não me dirão nada.

Volto já...


enviar arrochada
publicado por Pátio das Arrochadas, em 08.09.09 às 00:21link do post | favorito

Nasce aqui um novo espaço de convivência e socialização, onde todos, ou aqueles que vierem por bem, serão sempre bem-vindos e bem recebidos.

Como em qualquer pátio das nossas ruas, aqui juntam-se pessoas que concordam em tudo, onde não poucas vezes, a concordância poderá ser algo que não existe.

Este pátio não tem uma linha ideológica, a não ser o pensamento e o achar de cada um dos participantes, dos convidados, dos leitores.

Para quem conheceu a nossa (de alguns) antiga casa, o "Arrochadas 2.0" saberá com o que pode contar

 

Nos próximos dias, estaremos ainda em "período experimental". Irão entrar mais pessoas, e a coluna aqui do lado direito (sem qualquer conotação política) irá ser preenchida. Por enquanto, leia-nos aqui e/ou no Twitter.

 

Boas arrochadas a todos...

do que se fala:

Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
15
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
2009

pesquisar
 
comentários recentes
Deve confessar que quando vi o título aliado ao es...
Vá deixem-se lá de macacadas (se a Sta. Casa sabe…...
Que raios de apostas são estas? Isto havia de esta...
«(...)porque ninguém combate uma crise actual com ...
Faz-se por isso... :)
Não há melhor começo :)
E a não cumprir as mesmas...
Um post por dia? Mas já anda a fazer promessas ele...
Arrochadas mais comentadas
4 arrochadas dos leitores
2 arrochadas dos leitores
1 arrochada dos leitores
1 arrochada dos leitores
subscrever feeds